Capítulo 9: Anarquia – Subsídios para epistemologia

Paul Feyerabend

Paul Feyerabend (1924-1994) entende que a ciência é uma empresa essencialmente anárquica no sentido de que não há uma só regra, embora plausível e bem fundada na epistemologia, que deixe de ser violada em algum momento. E essas violações são necessárias para o progresso. Os grandes saltos que se pôde verificar na história da Física só aconteceram porque alguém decidiu transgredir regras metodológicas.

Entende  Feyerabend  anarquismo  epistemológico  como  oposição  a  um  princípio único, absoluto, fechado para opções, contrário a tradições rígidas que pretendem padrões universais de validade. Diferente, portanto, do anarquismo político como uma oposição às instituições, às ideologias, ao governo.

Para Feyerabend, o único princípio para que se desenvolva o conhecimento é: tudo vale.

Assim como a atividade lúdica é necessária para a compreensão nas crianças, ele supõe que esse mecanismo também continue agindo nos adultos. A criação de uma coisa e a compreensão de uma idéia correta dessa coisa é um processo não orientado por um programa bem definido, mas sim uma operação desarrazoada, insensata, sem método.

Defende que a contra-indução é razoável e sempre uma possibilidade de êxito por dois motivos:

1 – para ampliar ao máximo o conteúdo empírico, o cientista precisa introduzir novas concepções, diferentes alternativas, comparar ideias novas e antigas. Observa, contudo, que, em geral, o cientista tenta aperfeiçoar as ideias que vão sendo vencidas ao invés de afastá-las;

2 – não existe nenhuma teoria que esteja em harmonia com todos os fatos conhecidos no seu campo de domínio, isso favorece a discrepância entre as hipóteses e as observações.

A ciência não conhece fatos nus pois, quando o cientista toma conhecimento de um fato ele o faz com o olhar permeado pelos seus próprios pressupostos que,  para Feyerabend, são abstratos e discutíveis (tais pressupostos) e dão forma à maneira pessoal de cada um de ver o mundo. Além disso, o meio material pode deturpar, por exemplo, o objeto observado; os nossos sentidos podem nos enganar; construímos teorias a partir de princípios não conhecidos ou, se conhecidos, de difícil verificação.

Assim, entende que o homem não pode conhecer o mundo a partir de dentro dele próprio, precisa da crítica externa, de pressupostos alternativos, precisamos de um mundo imaginário para descobrir os traços do mundo real.

Argumenta em prol da contra-regra que é o processo que leva o indivíduo a introduzir hipóteses incompatíveis com as teorias bem aceitas e critica o que ele denomina de condição de coerência, que exige que hipóteses novas se ajustem às teorias já assentadas, não porque as antigas sejam melhor fundamentadas na observação ou porque sejam mais elegantes, mas apenas por serem mais antigas e familiares.

A  condição  de  coerência,  segundo  Fayerabend,  impede  discussões  alternativas, embora empiricamente cabíveis, e força o cientista a se apegar a uma única teoria sob o argumento de que fatos incompatíveis, sim, precisam ser examinados e podem levar a progresso, mas hipóteses alternativas não levam ao mesmo progresso. A esse pressuposto Fayerabend chama de princípio da autonomia.

Embora esse princípio talvez nunca tenha sido formulado, acredita ele, está claramente presente em todas investigações e testes, na medida em que normalmente uma única teoria é confrontada com os fatos. Contesta esse ponto de vista e entende que a relevância e o caráter refutador de experimentos críticos só podem ser verificados com o auxílio de teorias alternativas àquelas que estão sendo testadas.

Referindo-se à Teoria Quântica:

“Com base em nossas considerações, também se torna evidente que o êxito aparente não pode ser visto como sinal de verdade e de correspondência com a natureza. Muito ao contrário, surge a suspeita de que a ausência de dificuldades maiores se deve a uma   redução   do   conteúdo   empírico,   provocada   pela   simples alternativas e dos fatos passíveis de se verem descobertos com o alternativas .”

Como    consequência,    Feyerabend    suspeita    que    teorias    assim transformam em rígidas ideologias, cujo êxito é artificial porque não especificam fatos que se constituam em testes ou porque alguns desses fatos são afastados. Em suma, a condição de coerência leva a uma uniformidade de opinião que destrói o poder de imaginação e dá forças a um conformismo sombrio. O cientista precisa adotar métodos pluralistas, comparar suas teorias com outras, adotar alternativas ao invés de afastá-las, alimentar o processo da competição.

O pluralismo das teorias e das doutrinas metafísicas não é apenas importante para a metodologia; também é parte essencial da concepção humanitária. Educadores e progressistas têm sempre tentado desenvolver a individualidade de seus discípulos, para assegurar que frutifiquem os talentos e convicções particulares e, por vezes, únicos que uma criança possua. …Os argumentos em prol da pluralidade evidenciam que … é possível conservar o que mereceria o nome de liberdade de criação artística e usá-la amplamente não apenas como trilha de fuga, mas como elemento necessário para descobrir e, talvez, alterar os traços do mundo que nos rodeia.

Salienta que há pelo menos dois níveis de discordâncias entre teorias e fatos: a numérica e a qualitativa. O valor numérico que se obtém frequentemente discorda do valor previsto pela teoria mesmo considerada a margem de erro. As falhas da teoria geral da relatividade diante dos cálculos do movimento de Mercúrio, o modelo atômico de Bohr introduzido apesar da evidência em contrário, são exemplos de teorias importantes que se conservam mesmo diante de discrepâncias numéricas entre teoria e  observação.

No nível qualitativo cita vários exemplos de inconsistências: na Eletrodinâmica, na Relatividade, na Física Moderna. Entretanto, conservam-se as teorias e esquecem-se as suas insuficiências porque, assevera ele, trabalhamos com aproximações ad hoc, que escondem ou eliminam as dificuldades qualitativas e criam a falsa impressão de que a ciência é perfeita.

Essa tendência de somente admitir teorias que decorrem dos fatos conhecidos e aceitos deixa-nos sem teoria alguma, pois não há teoria sem dificuldades. Ou seja, precisamos abandonar tal exigência e revisar a metodologia admitindo, agora, a contra-indução a par de admitir as hipóteses não fundadas.

Os perturbadores e os intelectuais sem profundidade avançam, enquanto os pensadores ‘sérios’ descem às regiões mais sombrias do status quo, ou para dizê-lo de outra maneira, ficam presos à lama.

Feyerabend explora o exemplo do movimento da pedra no argumento da torre, utilizado por  Galileu, para mostrar que os sentidos puros não proporcionam compreensão verdadeira da natureza. Para chegarmos a essa compreensão é preciso ‘os sentidos acompanhados da razão’. Se assim não fosse a teoria de Copérnico (a Terra se move) estaria refutada. Com isso, chama atenção a que os ingredientes ideológicos das nossas observações e do conhecimento são descobertos contra-indutivamente.

Ele acredita que Galileu desenvolveu uma idéia clara de movimento permanente, sem ímpeto,  à  medida  que  foi  aceitando  a  concepção  de  Copérnico,  e  o  fez  para  tornar  o movimento  de  queda  livre  compatível  com  a  rotação  da  Terra  e  assim  escapar  das dificuldades  do  argumento  da  torre.  Dessa  forma  agiu  contra-indutivamente,  transgrediu regras metodológicas.

Galileu movido pelo desejo de provocar a aceitação do ponto de vista de Copérnico introduziu conceitos e princípios novos, entre eles a inércia e o princípio da relatividade dos movimentos, e com isso realizou progresso para a ciência.

Salienta ainda que há diferença perceptível entre as regras (como concebidas pela filosofia da ciência tradicional) e os procedimentos efetivamente utilizados pelos cientistas na pesquisa. A aplicação do “método científico” (positivista) impediria que a ciência existisse, tal como a conhecemos. Se ela existe, significa que estes métodos foram postos de lado em nome de formas de agir provocadas por condições psicológicas, sócio-econômico-políticas e outras de caráter ‘externo’.

Feyerabend entende que só é possível alcançar o progresso da ciência se a diferença entre o ser e o dever ser não for encarada como linha divisória fundamental, assim como a distinção entre observação e teoria, pois, a experiência sem a teoria é tão incompreensível quanto teoria sem a experiência.

Esse  é  um  traço  dogmático  na  ciência  que  deve  ser  superado  e  nesse  sentido

Feyerabend critica as idéias de Popper. Entende que o racionalismo crítico surgiu como uma generalização das soluções propostas para problemas epistemológicos e metodológicos, que esta posição diminui a fortaleza do ser humano, que não é possível se ter ao mesmo tempo uma ciência tal como a conhecemos convivendo com as regras do racionalismo crítico (falseamento, aumento de conteúdo, eliminação de hipóteses ad hoc, etc). Faz-se necessária uma  nova  visão  das  ciências:  entendendo-as  mais  anárquicas,  mais  subjetivas,  onde  os ”desvios” e os “erros” às regras metodológicas sejam pré-condições de progresso. Resumindo, sugere que a regra é a contra-regra:

i) introduzir hipóteses conflitantes com teorias bem confirmadas ou corroboradas;

ii) introduzir hipóteses que não se ajustem aos fatos estabelecidos. Dada a ciência, a razão não pode ser universal e a sem-razão não pode ver-se  excluída.

sumário